404 Erro - página não encontrada
Desculpe-nos, mas a página que você está procurando não existe.
Você pode ir para página inicial

NOSSAS ÚLTIMAS POSTAGENS

16 dos 25 condenados terão que iniciar cumprimento das penas

Os ministros do  Supremo Tribunal Federal (STF)  decidiram nesta quarta-feira (13) pela execução imediata da pena imposta a vários condenados no processo do mensalão, entre eles o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu; o ex-presidente do PT e deputado licenciado José Genoino; o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o operador do mensalão, Marcos Valério.

dirceumensalaoApós muita discussão e dúvidas entre os próprios ministros, o Supremo entendeu que os réus terão de iniciar o cumprimento da pena pelos crimes dos quais não recorreram por meio dos embargos infringentes (recursos ao qual têm direito réus que obtiveram pelo menos quatro votos favoráveis nas condenações). Os infringentes só serão julgados no ano que vem.

A decisão foi tomada após proposta do relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que sugeriu que 22 dos 25 condenados, mesmo aqueles que ainda têm recursos pendentes de julgamento, passassem a cumprir as penas de prisão ou prestação de serviços. Outros quatro ministros concordaram com a tese de Barbosa, mas outros seis consideraram que não pode ser executada a pena referente a crime cujo recurso ainda não foi julgado.

Pelo menos 16 condenados terão de cumprir a pena de imediato: os sete que não entraram com embargos infringentes em nenhum dos crimes pelos quais foram condenados, além dos que usaram os infringentes para questionar somente parte das penas.

O Supremo terá agora de contabilizar quais foram os réus que deixaram de questionar punições por meio dos infringentes.

Assim, se um réu recebeu menos de quatro votos favoráveis e mesmo assim resolveu apresentar embargos infringentes, ele não poderá ser preso pelo crime que questionou no recurso. Isso porque o Supremo entendeu que quem tem recurso pendente de julgamento em determinado crime não pode começar a cumprir a pena.

Se um réu deixou de questionar alguma das condenações, terá de iniciar o cumprimento da pena por aquele crime.

Ao final do julgamento, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que somente “cerca de três ou quatro” dos 25 condenados não iniciarão de imediato o cumprimento da pena.

Perguntado se o ex-ministro José Dirceu teria de começar a cumprir a pena desde já – uma vez que questionou por meio de embargos infringentes somente a condenação por formação de quadrilha e não a condenação por corrupção ativa – o ministro respondeu: “Certamente sim”.

Barroso explicou ainda que a decisão sobre a expedição dos mandados de prisão ficará a cargo do relator do processo, ministro Joaquim Barbosa. A assessoria de imprensa do Supremo informou que nesta quinta-feira será feita uma verificação de quantos condenados terão de iniciar o cumprimento das penas imediatamente e quantos aguardarão em liberdade o julgamento dos embargos infringentes. Só depois disso serão expedidos mandados de prisão.

Eduardo Euzébio, de 18 anos, treinava em Morretes

O ciclista paranaense Eduardo Euzébio, de 18 anos, morreu na manhã desta quarta-feira (13) em um acidente na BR-277, no litoral do Paraná. Ele havia sido convocado recentemente para treinos com a seleção brasileira de ciclismo e era registrado pela Federação de Santa Catarina, mas costumava treinar no Paraná. Euzébio pedalava pelo km 49 da rodovia, em Morretes, quando foi atingido ao entrar em um retorno, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

ciclistamortoAinda segundo a PRF, Euzébio pedalava no sentido Paranaguá quando teve a roda da frente da bicicleta atingida por um carro. Ele chegou a ser socorrido por um médico que passava pelo local e pela ambulância da concessionária que administra a rodovia, e foi encaminhado ao Hospital Cajuru, em Curitiba, mas não resistiu aos múltiplos ferimentos.

O motorista do carro que o atingiu disse à PRF que estava ultrapassando um caminhão quando o acidente ocorreu, e por isso imagina que o ciclista não tenha visto o veículo.

De acordo com a Confederação Brasileira de Ciclismo, Euzébio era um dos atletas mais promissores da categoria dele, e já vinha sendo convocado para a seleção. No campeonato Brasileiro Júnior de Ciclismo de Pista 2013, ele conquistou duas medalhas de ouro.

O velório do ciclista ocorre nesta quarta-feira, na Capela Central de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O corpo segue na sequência para cremação em Campina Grande do Sul.

Ataques e defesas a candidatos têm provocado rompimentos

O intenso uso das redes sociais para expressar apoio político nestas eleições e o acirramento das tensões devido à proximidade do segundo turno, marcado para o próximo domingo (26), têm afetado amizades e relações familiares. Uma usuária do Twitter resumiu a situação em um post que lhe rendeu mais de 17 mil curtidas: “Gente, quem perdeu família ou amigos por causa dessa eleição vamos combinar de passar o Natal juntos”.

Pesquisa Datafolha divulgada na última quarta-feira (22) mostrou aumento no índice de pessoas que disseram ter interesse nas eleições. Dos 4.355 entrevistados, 50% responderam que têm interesse no pleito. No fim de agosto, essa porcentagem era 39%. Esse crescimento também influencia no aumento da circulação de vídeos, textos e até mesmo ofensas nas redes sociais.

A gerente de comunicação digital Glaucimara Silva deixou de seguir e de visualizar publicações de várias amigos no Facebook. Em casos mais graves, em que houve preconceito ou discurso de ódio, ela desfez a amizade na rede social. “As pessoas se revelam muito nesse momento”, diz. Ela acredita que, por estarem protegidas por um computador, “as pessoas se sentem mais à vontade para falar coisas que não falariam cara a cara”.

Apesar de a maior parte das amizades desfeitas serem de amigos apenas de Facebook, Glaucimara chegou a se afastar de uma amizade na vida real. “Um amigo muito próximo parou totalmente de conversar comigo porque considerou que temos uma visão política muito diferente e por isso não temos mais nada em comum”, conta.

A assessora de imprensa Juliana Carvalho decidiu encerrar as contas nas redes sociais até o fim das eleições. “Estava virando um ringue para mim, eu via as pessoas extremamente irritadas e xingando umas às outras.”

Para o sociólogo e pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Marcello Barra, a proporção a que chegaram as discussão nas redes sociais nestas eleições é algo inédito. “No grau que assume é realmente uma coisa que aparentemente é inédita e tem correlação imediata com a disputa [eleitoral], uma disputa muito acirrada.”

Ele explica que as redes apresentam um grau de politização muito mais avançado diante de outros meios de comunicação, como a televisão ou o rádio. “Permitem não só a expressão de vários assuntos que vão além da política, como a política é tratada muito intensamente, discutida numa base diária. Isso é muito relevante para a democracia”, destaca.

O mestre em direito pela UnB e ciberativista Paulo Rená também considera a discussão nas redes positiva, mas alerta para o discurso de ódio e para os crimes cometidos pelos usuários que, muitas vezes, saem ilesos a comentários racistas ou de preconceito regional.

“Acho importante que as pessoas entendam que não é porque estão na internet que o discurso de ódio está liberado. E isso não é nenhuma restrição à liberdade de expressão”, diz. “Aquelas condutas inadequadas e eventualmente criminosas que eram feitas em ambientes privados, que eram feitas dentro de casa, agora passam a ocorrer também em ambientes públicos. Não tem nenhuma restrição para que esse comportamento inadequado seja punido aconteça ele na internet ou em qualquer lugar.”

Rená orienta aqueles que se sentirem agredidos a, dependendo do nível da ofensa, procurarem uma delegacia de polícia e registrarem boletim de ocorrência ou recorrerem à Justiça. O Ministério Público também pode atuar no combate a discursos preconceituosos a determinados grupos.

Empresas não têm marcas próprias e forneciam para outras marcas

O Secretário de Agricultura de Santa Catarina, Airton Spies, disse nesta quinta (23) que ainda não foi possível identificar quais marcas comerciais vendidas nas regiões Sul e Sudeste usaram como matéria-prima o leite adulterado fornecido por dez empresas catarinenses e uma do Rio Grande do Sul.

Segundo Spies, as empresas investigadas pela operação Leite Adulterado III colocaram no mercado do Paraná e de São Paulo cerca de 300 mil litros por dia de produto contaminado, durante um período ainda não conhecido.

O secretário afirmou ainda que “Santa Catarina produz 8 milhões de litros por dia, sendo que as empresas suspeitas são responsáveis por 4% da produção”.

Ele disse que fez contatos com o Ministério da Agricultura para localizar o leite adulterado e determinar seu recall e que “os técnicos ainda estão rastreando os lotes para saber onde foram colocados, tarefa que pode levar 10 dias”. Cerca de 20 fiscais federais trabalham em conjunto com as autoridades estaduais.

Segundo o promotor Fabiano Baldissarelli, as 16 pessoas presas na segunda (20), suspeitas pela adulteração, estão sendo interrogadas para identificar a extensão da operação.

As 11 empresas citadas na investigação não têm marcas próprias e a produção delas, agora suspensa, destinava-se à venda para usinas de beneficiamento que as revendiam aos supermercados. Parte da produção também foi utilizada em queijarias.

O Ministério Público Estadual de Santa Catarina informou que as empresas adicionavam sódio, soda cáustica e peróxido sódio, produtos que alteram a acidez do leite. Os sintomas no consumidor podem variar de dor de cabeça aos mesmos de intoxicação alimentar, além de feridas na boca.

As 11 empresas suspeitas são:

Empresa Cordilat / SC Foods – Cordilheira Alta/SC.

Empresa Laticínios Oeste Lat – Coronel Freitas/SC

Empresa Agro Estrela – Coronel Freitas/SC

Empresa Transportes Irmãos Gris – Formosa do Sul/SC.

Empresa Cooperativa Agropecuária e de leite Milkfor – Formosa do Sul/SC.

Empresa GD Transportes – Formosa do Sul/SC.

Empresa Transportes Douglas – Formosa do Sul/SC.

Empresa Laticínios Santa Terezinha – Santa Terezinha do Progresso/SC.

Empresa Laticínios São Bernardino – São Bernardino/SC

Empresa cooperativa Coopleforsul – Formosa do Sul/SC

Empresa Master Milk – Iraí/RS.

“Em São Paulo, o que é branco é leite”

Para o promotor Mauro Rochemback, do MP gaúcho, que investiga a fraude no alimento no Rio Grande do Sul, a fiscalização do leite que entra nas indústrias paulistas é praticamente nula. E é São Paulo o destino da maior parte do produto adulterado no Sul do país.

O esquema, segundo Rochemback, é o mesmo que foi descoberto no RS nas operações Leite Compen$ado: ao sair do produtor, o alimento recebe água e substâncias químicas – como soda cáustica – para aumentar seu volume e maquiar sua péssima qualidade.

“O leite recebe tratamento para ganhar mais tempo de padronização. Substâncias para deixar ele dentro do padrão de forma que ele vença o tempo de deslocamento até SP. Ele entra na indústria aparentemente bom, mas já recebeu as substâncias”, explica o promotor.

Espetáculo reúne 50 instrumentistas nos dias 14 e 15 de novembro

Em novembro, Curitiba será palco para uma grande homenagem ao Queen, para junto aos fãs celebrarem as canções imortalizadas por Freddie Mercury, Brian May, Roger Taylor e John Deacon em uma superprodução que reunirá 50 artistas/instrumentistas, entre nacionais e internacionais. O Queen Symphonic Tribute segue  o conceito dos grandes espetáculos europeus, e vai promover o encontro do rock com a música clássica em um dos cartões-postais da cidade em três noites inesquecíveis. Com apresentação da Tradener e realização da Sunset Cultural, o evento será realizado nos próximos dias 14 e 15 de novembro, na Ópera de Arame (R: João Gava, 970) às 21horas.

O espetáculo será em formato sinfônico acompanhado por banda de rock, cantores e coro, com arranjos exclusivos do renomado Maycon Ananias sob-regência do maestro Carlos Domingues. Vai unir no mesmo palco, o tradicional trio guitarra-baixo-bateria do rock´n´roll com os acordes de violinos, metais e cordas da Eruditu Phillarmonic Orchestra – formada por músicos da Orquestra Sinfônica do Paraná, Camerata Antiqua de Curitiba e Paraná Brass – para um tributo emocionante à banda inglesa.

As canções serão interpretadas pelas cantoras Jennifer Mosello e a inglesa Jesuton, pela soprano Márcia Kaiser, pelo barítono Paulo Barato, pelo tenor Cristhyan Segala, pela contralto Débora Bergamo,dentre outros. Além disso, terá participações especiais  de Ana Cañas, no primeiro dia, sexta (14), e Tiago Iorc, no sábado (15).

O Queen representou um marco histórico não só no rock, mas na música em geral. Como eles têm influência da música clássica, da ópera, as melodias ganham uma roupagem nova quando adaptadas para orquestra, coro e banda. O show, com cerca de duas horas de duração, contempla uma coletâneas de 16 clássicos antológicos do quarteto inglês, como “A Kind of Magic”, “Bohemian Rhapsody”, “We Will Rock You”, “Radio Ga Ga”, “I Want to Break Free” e “We Are The Champions”.

Os ingressos já estão disponíveis e custam R$85,00 (meia-entrada) e R$170,00 (inteira) + R$10,00 de acréscimo por bilhete referente à taxa de administração.

Uma das vítimas está em estado grave e respira por aparelho

Um grupo de 11 pessoas, sendo sete adultos e quatro crianças, foi atendido na rede pública de saúde de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, na quarta-feira (22), com sintomas de intoxicação alimentar por ingestão de baiacu ou fugu –peixe que armazena uma neurotoxina (a tetrodotoxina) capaz de provocar a morte da vítima.

O caso mais grave é o de José Augusto de Souza, de 41 anos, que está internado em estado grave no CTI do Hospital Moacyr Rodrigues do Carmo. Ele respira com a ajuda de um sistema de ventilação mecânica.

Também estão em estado grave, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, Jackson da Silva de Souza, de 30 anos, e dois menores. Os três foram transferidos para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias. Não foram informados detalhes sobre o quadro clínico dos pacientes.

As outras sete pessoas encontram-se em observação, e cinco delas podem receber alta ainda nesta quinta. As duas restantes estão sendo acompanhadas de forma mais rigorosa, mas não inspiram maiores cuidados. Todos os pacientes receberam tratamento de suporte com lavagem gástrica e medicação para desintoxicação.

A Prefeitura de Duque de Caxias informou que está investigando as circunstâncias em que o grupo consumiu o peixe. Equipes da Vigilância Municipal Epidemiológica estão conversando com moradores do distrito de Campos Elíseos, onde ocorreu o fato, com o objetivo de identificar a presença do pescado no local.

De acordo com as primeiras informações, uma pessoa ainda não identificada teria doado o peixe para famílias da região.

Sequestradores liberaram mulheres mais velhas na Nigéria

Militantes suspeitos de integrar o grupo radical islâmico Boko Haram sequestraram ao menos 25 meninas em um ataque contra uma cidade remota no nordeste da Nigéria, disseram testemunhas nesta quinta-feira (23).

O sequestro ocorre em meio às negociações entre o governo nigeriano e o grupo radical para a libertação de mais de 200 reféns femininas capturadas pelos militantes em abril.

John Kwaghe, que testemunhou o ataque e teve três filhas levadas pelos sequestradores, e Dorathy Tizhe, que perdeu duas, disseram que os ofensores vieram tarde da noite, forçando todas as mulheres a seguirem com eles, mas libertando as mais velhas em seguida.

Na manhã do dia 14 de abril, insurgentes do grupo islâmico ultraradical Boku Haram entraram em uma escola pública na aldeia de Chibok e não acharam nenhuma resistência para ficar por três horas na escola. Saíram depois de incendiar o local, levando as meninas em 20 caminhonetes e 30 motos.

O sequestro de cerca de 270 meninas chocou o mundo e motivou a campanha “Bring Back Our Girls” (Tragam de volta nossas meninas, em tradução livre), pelo resgate das meninas

Algumas das meninas conseguiram fugir ou foram libertadas, porém mais de 200 permanecem em cativeiro e a resposta lenta da Nigéria para a crise juntamente com sua incapacidade de localizar as reféns levaram a muitas críticas no país e no exterior.

O governo da Nigéria anunciou no último dia 17 que chegou a um acordo com o grupo militante islâmico para um cessar-fogo e a libertação de cerca de 200 meninas sequestradas.

Policial havia sido ameaçada por milícias

A delegada adjunta identificada como Tatiane Damaris e lotada na 36ª DP (Santa Cruz) foi encontrada morta na tarde desta quinta-feira (23) em sua casa, em Realengo, Zona Oeste do Rio. Policiais da Divisão de Homicídios estavam no local por volta de 14h45.

Segundo informações de inspetores, a delegada estava sofrendo ameaças de um grupo de milicianos. Ainda segundo agentes da Polícia Civil, a Divisão de Homicídios convocou os delegados da região onde Damaris foi encontrada para uma reunião em caráter emergencial.

Damaris trabalhou em investigações como a que apurou o rompimento de uma adutora na Zona Oeste em 2013.